Etiqueta: ardora

Apresentaçom em Compostela de “Um país a la gallega”

O próximo 24 de setembro apresentara-se o livro Um país a la gallega de Beatriz Busto Miramontes. Junto com a editora do livro Através organizamos este acto que contará com a presença da  autora e da editora. Ademais terá lugar umha projeçom comentada do NO-DO.

A atividade começará às 19:30h e terá lugar na Casa Obreira em Compostela, na finca de velasco, travesa do sar a rúa do sar, rua de clara campoamor. O lado da nova estaçom de autocarros.

UM PAÍS A LA GALLEGA. GALIZA NO NO-DO FRANQUISTA

“Beatriz Busto mostra o difícil que é destrinçar o legado coletivo, quando ele vem presidido por elaborações e se esquece que ele é construção. O legado que lateja por todo este elucidador trabalho sobre o NO-DO como porta giratória da complexa realidade comunitária é o do respeito e o do entranhamento vital. Um trabalho que é um alerta, difícil, mui difícil de praticar, certamente, sobre como hoje estamos construindo o nosso presente e sobre as propostas e imposições em jogo.” Elias J. Torres Feijó (Grupo Galabra – USC)

 

Ataques à liberdade de expressom e a repressom ao jornalismo crítico

“Palestra em torno a liberdade de expressom e a repressom ao jornalismo crítico ao cargo de Boro LH, julgado recentemente pola sua labor como jornalista. Contaremos também com intervençons de companheiras dos médios galegos Galiza Contrainfo e Novas da Galiza.”
Terá lugar no C.S.O.A. O aturuxo das Marías. Rua Cruzeiro do galo 1B. Compostela

Nordês nº05

Já está para descargar o quinto número do periódico Nordês. Umha colaboraçom entre o jornal digital A irmandade da costa e Ardora (s)ediçons anarquistas. 

Nesta entrega: Traspassar as fronteiras. Semana internacional solidária coas presas anarquistas. Agardando a hora da vingança. Ilusom de movimento em torno dos filmes «Soledad» e «El camino de Santiago». E algumha leitura recomendada.

Animamos a fotocopiar e difundir

Descarga:

· Nordês nº05

Mulheres contra o cárcere. Reflexos, vivências e luitas.

Mulheres contra o cárcere. Reflexos, vivências e luitas.

O próximo dia 16 de maio, quarta-feira, no CSA do Sar contaremos com o grupo anti-carcerário Les trois passants (Toulouse) que às 19:00h apresentaram o documentário «Nos robaron las noches» e despois terá lugar um encontro e debate com Pastora do coletivo Familias frente a la crueldad carcelaria e Les trois passants ,realizadoras do documentário. Para rematar a jornada faramos um ceador pra intentar cubrir os gastos.

Aqui vai descriçom do documentário e da atividade:

Com o passo do tempo, quem nos solidarizamos com as nossas colegas presas, aprendemos e continuamos a aprender no caminho, e neste, observamos a incessante luita, resistência e trabalho que as mulheres (dentro e fora dos cárceres) realizam, nom só como tecedoras de memória e contra o esquecimento, senom como portadoras de umha luita incessante contra o encerramento, o cárcere, o sistema penitenciário e jurídico. Porém, inclusive nos meios contestatários pouco se diz sobre elas, pouco sabemos delas, pouco se escuta.

É por esta razom, que nesta ocasiom, longe de fabricar umha visom de inocência e vitimismo, queremos fazer um eco e abrir um espaço para a palavra das maes, irmás, parceiras, mulheres solidárias, filhas e ex-presas que enfrentam o sistema penitenciário, o encerramento dos seus seres queridos, o distanciamento, o desprezo, a humilhaçom, o maltrato e a tortura sexual, o assinalamento, a estigmatizaçom e a hipotética justiça.

É através deste documentário que queremos escutar as suas vozes e reflexons, que queremos abordar estas preocupaçons que rodeiam o cárcere dentro e fora dos muros, mas principalmente permitir intercâmbios, tecer laços e encontrar caminhos, espaços e açons pela liberdade.

Com a finalidade de trocar e compartilhar reflexons, depois de que se apresente este documentário teremos um debate entre pessoas do coletivo Les trois passants (Toulouse) e Pastora, do coletivo Familias frente a la crueldad carcelaria.”

Vemo-nos ali!

Ardora nº3

ESGOTADO

Descarga: PDF.

Para conseguir algum ejemplar ou para distribuiçom contactar a través de: ardora@bastardi.net.

Também podedes subscrever a revista e recebê-la na casa: subcriçom básica: 18€ (6 números)  + 6 € de gastos de envio. A intençom das subscriçons é dar estabilidade ao projeto, também som bem-vindas aportaçons solidárias.

 

Índice de conteúdos:

Vozes

· O inesperado

· Anáise crítico do 8 de Marzo, día da muller traballadora

Alem

· Luitando baixo o estado de emergência

Cinema

· Cinema de ficción anarquista durante a guerra civil

Ferramentas

· Contrato(do)

O fio negro da história

· Manoel Antonio: trala pegada dunha nova coordenada (Epifanias libertarias vol.2.3)

Chora et labora

· «Passei os melhores anos da minha vida num supermercado»

Banda desenhada

· Nestor Makhno

Ardora (s)ediçons anarquistas apresenta

O dia 30 de abril às 18:00 temos a satisfaçom de apresentar um projeto no que levamos a trabalhar uns meses.
ARDORA (S)EDIÇONS ANARQUISTAS envolve umha revista e umha editora, e canda nós estarám as compas de Airmandade Da Costa apresentando tambem o seu meio de informaçom.

As 19:00 contaremos coa apresentaçom do livro ‘El sabor de la sangre en la boca: Revolucionarios, anarquistas, rebeldes y nihilistas en la Rusia del s.XIX’ (Editorial DESCONTROL).

Às 21:30 teremos ceia para prepararmo-nos para os concertos de:
– STYLO BASTARDO (HI HOPUNKI/DENDE A SALA IAGO)
– RAMERAS (PUNK PUTO/COMPOS)